Comunicação Visual, ou Marketing Visual?



Fala-se regularmente sobre a importância da imagem da empresa, da imagem da pessoa, da imagem do produto e porque não pensar na qualidade desta imagem, no que ela transmite quando avistada, qual a comunicabilidade dela?

As tecnologias evoluíram muito, há cinco anos atrás, uma câmera de 5 megapixels era considerada de “alta resolução”, hoje já estão disponíveis no mercado câmeras que superam 20 megas, com preços acessíveis e adequadas a amadores. Não precisa ser profissional para ter boas fotos, mas precisa ter sensibilidade para captura-la no ângulo, na luz, na mensagem certa. Esta comunicabilidade faz toda diferença.

Aproveitando este retorno no tempo, vamos recordar das fotos “reveladas” após uma viagem, corríamos a loja de fotos para poder lembrar daqueles momentos especiais, hoje, olhou, clicou, gravou, gostou guardou, não gostou deletou. O que mudou? A velocidade que se toma uma decisão, a facilidade para tomá-la, a tecnologia de armazenamento e a acessibilidade que já deixou de ser exclusividade de câmeras fotográficas para estar também no telefone celular.

Se nossas “capturas” de imagens se tornaram mais marcantes, mas fáceis de julga-las, como estaremos julgando marcas, propagandas, mensagens visuais que estão em nosso caminho todo o tempo; a propaganda impressa.

Interessante pensar que mesmo com tantos recursos digitais, o outdoor, a foto da revista, os jornais, os grafismos e tudo que esta a nossa volta nos afeta diretamente por estar disponível a nossos olhos. De que forma o design agrega valor a estas imagens? De que forma o photoshop se tornou importante para melhorar a qualidade visual do que será exposto e até que ponto estamos nos obrigando a expor só o que agrada aos critérios técnicos visuais?

São muitas perguntas para serem avaliadas e depende de onde se quer levar o pensamento, mas aqui queremos trazer o tema para linha da Comunicação Visual a Impressão Digital, ao Marketing Visual, na sua forma de vender produtos. Porque existe uma preocupação tão grande na qualidade da captura de imagem, na qualidade da luz capturada, na frase que irá guiar o leitor e no momento de transformar tudo isto em Marketing Visual, deixa-se de lado as mesmas vantagens qualitativas que evoluíram nestes últimos 5, 10 anos? Será que uma economia na hora de escolher a definição da imagem justifica-se? Imprimir com imagens de 70 ou 300 Dpi’s? 720 ou 1200 Dpi’s na resolução impressa? 2, 4 ou 8 passadas de máquina, qual a diferença que tudo isto pode trazer? De fato podemos ser amadores para fotografar, mas para fazer tudo isto conquistar o publico consumidor, é preciso muito profissionalismo para preencher todos os espaços cognitivos que usamos para julgar o que vemos.

A quantidade de elementos que envolvem a decisão na propaganda é espantosa, quanto mais estudamos os caminhos, parece que se ampliam os labirintos. Vamos alinhar uma sequencia de palavras para exemplificar esta citação, afinal você que esta lendo até agora também criou uma opinião avaliativa de tudo isto; visibilidade, folder, placas, sinais, banners, panfletos, faixas, santinhos, adesivos, letra de recorte, letras caixa, impressão UV, Impressão Solvente, Impressão Latex, Impressão a base dágua, placas de campo, Embalagens impressas, Demonstração, Degustação, Pop Up, Roll Up, fundo de palco, imagem pantográfica, desenhos, grafismos, plotagens, cavaletes, telas digitais, mídia online, display falante, outdoor, de que forma podemos falar com nossos leitores, ou nossos clientes? Me parece claro que o leitor vem antes dele se tornar cliente, sendo a comunicabilidade, a Comunicação Visual a ferramenta que o leva a ser consumidor de nosso produto.

É preciso ter definido quais caminhos a comunicação vai seguir em cada tipo de produto, em cada seguimento. O profissional de marketing, de agencia de publicidade precisa definir qual o foco da sua comunicação. Esta tão em moda falar de metas, que cabe até analisar qual a meta de nossa ação de marketing visual?

O momento é tão delicado para o comercio que até para propaganda se esta exigindo Metas, cobrança de resultados, meios de ter claro de onde saímos e onde chegamos após a propaganda.

Fabricando materiais de comunicação visual, propaganda impressa a mais de 7 anos, percebemos já há algum tempo que não podíamos estacionar, fazer a mesma coisa sempre, decidimos então invadir a área de nossos parceiros de forma colaborativa, criando produtos novos, interagindo com as agencia de marketing e criação, usando nosso potencial criativo e transformador em prol de nossos clientes. Temos que respeitar as criações de cada trabalho que fazemos, mas podemos e devemos usar as experiências para melhorar ou ao menos ser um facilitador das criações de nossos clientes. Já se foi o tempo que bom vendedor era aquele que empurrava produto, hoje em dia temos que ser participes na escolha de nossos parceiros e ajuda-los a agregar valor aos trabalhos que fazem, só assim conseguimos manter uma carteira contínua de trabalhos com os mesmos clientes e ainda conquistar outros, muitas vezes dentro da mesma organização.

Se existe preocupação com o Marketing Visual de nossos clientes, a primeira ação a tomar é cuidar de nosso próprio. Ampliamos nosso show room e passamos a receber clientes para discutir in loco o que se pode fazer por ele, dentro de nossas habilidades. Dá mais trabalho, mas o resultado final tem sido muito gratificante.

Nosso slogan se fortalece a cada dia; Pensou em PDV, Liga na DB. Consulte um profissional da Display Brasil para saber quais opções de impressão Digital podem ser aplicadas a seus produtos. (41) 3116 7000 ou através do site WWW.displaybrasil.com.br

 

Comunicação Visual, ou Marketing Visual?
4 votos, 4.00 média de classificação (80% pontuação)

Novidades no E-mail

Inscreva-se e receba as últimas novidades da Display Brasil no seu E-mail:

Comente aqui!